A Música em Stranger Things

A série do momento é Stranger Things e se vc ainda não viu pode crer que está moscando. Mas sobre as referências, atuações e estética da série todo mundo tá falando por todos os lados, o que a gente vai falar aqui é de música.

A própria Netflix soltou uma playlist de Stranger Things no Spotify da empresa, que tem umas pedradas como Africa -Toto, tem Clash, Joy Division, Echo & The Bunnymen, Jeffersons Airplane. Tem até Reagan Youth com um hardcore oitentista FODIDO evidenciando uma carga histórica e política na série. Mesmo assim faltou algumas músicas muito boas que estão na série, uma delas é HEROES, de David Bowie, só que numa versão orquestrada e etérea de Peter Gabriel.

O grande lance é a trilha original, essa coisa sintética mas granulada que lembrou muito o batidão de Tron Legacy e a brilhante composição do Daft Punk. A trilha de Stranger Things, macabra, de um futurismo retrô, cheia de moogs e sintetizadores, é coisa dos Survive, uma banda texana que desde 2008 manda esse som eletrônico sombrio com uma pegada muito sci-fi. Se liga no Bandcamp dos caras aqui. Quem curte o Deezer também dá pra ouvir o último álbum deles, que é bruto.
Uma grande referência para a trilha de Tron e para o trampo do Daft Punk em Random Access Memories é Giorgio Moroder, e acaba sendo outra homenagem aos anos 80, como toda a série. Moroder foi responsável por estrumbar a disco music dos anos 70 com sintetizadores e quase inventar a musica eletrônica. Ah, nos anos 80 ele fez a trilha de História Sem Fim(!!!!!!). Sério, se vc curte qualquer coisa que não seja banquinho e violão ouve os bagulho do Moroder. https://play.spotify.com/artist/6jU2Tt13MmXYk0ZBv1KmfO

Agora vem comigo e sente esse climão de mistério e tensão, fecha os olhos e aperta o cinto nesse deLorean te levando para um futuro muito nebuloso.

Aproveita e se liga joga também nesse remix do Cybass que tem climão de Netflix & Chill mas tem cheiro de Askov Kiwi, gelo seco e vape 😚💨.

 

Voltando direto do Inverso pro Procrastinagem,
Rafael Telefone Takano com os mullets mais real deal do século

Paella nordestina gratinada

Livro de receitas do Procrastinagem #2

Fome. Larica, como minha mãe diz. Só isso para forçar a gente a sair da frente do computador, abandonar o tumblr por alguns instantes, por mais que isso custe ficar completamente desatualizado dos memes do momento.

Fomos ao supermercado mais próximo, mesmo não sendo o mais barato (a.k.a. mercado de boy). Quando chegamos a tal estabelecimento, de havaiana e de bermuda rasgada, como já diria nosso mano Karatê, não tínhamos a menor ideia do que nossos famintos estômagos provariam.

-Acho que sobrou carne de ontem. Se pá tem uma berinjela. Nem, to de boa de berinjela. Tem arroz lá, podemos fazer um risoto maroto. Demorô, chegou chatuba!

Depois de muitos minutos de risos infindáveis, fosse pelo saco plástico que insistia em virar chapéu na minha cabeça, ou pela atenção desviada para a conversa alheia, elegemos os personagens do banquete: Mandioquinha, Cenoura, Tomate, Pimentão, Lascas de queijo prato, e outros sabores. Em casa, a cebola, alho, condimentos, azeite e muzzarela em fatias grossas já nos esperavam ansiosos pela festa na cozinha.

FF>>

Em, casa, cortamos cebolas, alhos e tomates bem picadinhos, finas tiras de pimentão, cubinhos de cenoura e as rodelas de mandioquinha. Duas panelas refogam cebola e alho simultaneamente. Em uma*, tomates e pimentões caem na festa umedecidos pelo azeite barato. Na outra**, a cenoura e a mandioquinha entram na dança da refoga. Como semi-deuses da culinária, instantes antes de a cebola dourar na panela*, promovemos a cachoeira de arrrrrrrroz (3 copos americanos pra 4 niños hambrientos). Refoga de leve, água, sal e fogo médio. Na panela registrada como “a outra”**, água, sal, condimento preparado Coentro, Louro e Cominho, e fogo alto.

Agora dá uma misturada no arroz, assim, a alegria e a magia dos vegetais poderão colorir nosso risoto. Coloca um par de folhas de louro. Não podem ser duas folhas separadas, tem que ser as que estão juntas. Elas se amam e é isso que a gente quer numa refeição.

Quando o arroz estiver no ponto, a mandioquinha deverá estar desmanchando-se de sabor e sensualidade nos seus lábios carnudos. Separe o caldo nordestino que saiu da mandioquinha e sirva com fatias de pão como entrada.

Metade da nossa quase-paella se esparrama por uma travessa grande e é coberta por queijo muzzarella. Deita a outra metade de risoto sobre o queijo, que já derrete com o calor do arrrrrroz. On the top, homenageando e selando a produção, lascas de queijo prato e orégano.

Forno pré-aquecido no máximo, até que o queijo prato derreta e comece o processo de fusão com o orégano. E é isso mesmo, não sei a temperatura nem o tempo. Aqui é slowfood pride! Cozinha contemporânea com ciência decuérola. Escute seu coração, e chegada a hora, bate no peito e diz: “Tá pronto”. Vai estar.

Não conseguimos definir o vinho que melhor acompanharia tal prato, sem desmerecer o suco de tangerina de pózinho. Qual vocês acham?

Bon appétit,
Rafael Takano
Chef de Couisine

Adidas Originals Star Wars, parte 2

Mais algumas imagens, dos amiguinhos no SneakerFreaker, salve rapazeada! Tem até fotos do pisante baseado na Princesa Leia! Queremos todos, né não?

A coleção é dividida em 3 Packs: Characters (personagens), Vehicles (veículos), e Direct (direto). Divisão óbvia, menos Direct, que inclui modelos do Darth Vader e Stormtroopers e da princesa Leia.

Ah, e não tem nada a ver com aqueles modelos de 2007, né? Coisinhas xexelentas.

Tentando não passar dos 3 parágrafos. hã?
Rafael Takano
Sensitivo

Imagens do Adidas Originals Star Wars

Masterize na arte e design de tênis. Sim, a Adidas chegou ao topo inalcansável. Depois de lançar o teaser do StormTrooper, que bombou no Twitter, os caras liberaram ontem as imagens da coleção Originals Star Wars no site oficial do Star Wars.

Estamos todos emocionados aqui. Não, eu to falando sério. O requinte de detalhes, referências, designs, adaptações, só fica atrás da mais-do-que- sábia escolha dos “personagens” para cada modelo de tênis.

Não é que os caras fizeram os desenhos nos tênis, não vem a cara de ninguém, nenhuma fotinho. É a alma, muito além da estética, que predomina. Os estilos dos tênis, a forma como ele vai ser usado, o quanto ele vai ser usado, foram magistralmente adequados aos personagens dos filmes. Digo personagens por que como bom nerd que sou, já considero as Fighters, as AT-AT, e a Death Star como personagens.

O personagem central da coleção é, sem dúvida, Lord Darth Vader. Até nas camisetas, moletons e capas. Mas o que liga mesmo são os sneakers. De boa, pede licença no MSN, avisa no Twitter que vai cagar, e vê as imagens com atenção.

“A força é a lamina do coração”

Rafael Takano,
Sensitivodemais decoradores de piadas de twitter

  • Agenda

    • junho 2017
      S T Q Q S S D
      « set    
       1234
      567891011
      12131415161718
      19202122232425
      2627282930  
  • Pesquisar